Tipografia: CMS Axe e o tema Rocket

Como fã dos recursos tipográficos da web, vivo sentindo falta de uma referência dos recursos à minha disposição – e chegou a hora de começar a resolver a parte disso que ninguém poderia fazer por mim.

Ser o autor tanto do CMS1 quanto do tema que eu uso para publicar meu blog2 tem vantagens e desvantagens, como:

✔ Ao voltar a blogar depois de alguns anos só twitando, tudo ainda continua do jeito que eu lembrava.
✘ Eu não lembrava tão bem assim.
✔ A documentação do Axe é bem suficiente pra essa minha retomada.
✘ A do Rocket é inexistente...

Vamos, então, corrigir essa lacuna, registrando as dicas de tipografia do Axe com o Rocket (e com os scripts de configuração sob medida do BBEdit), para eu mesmo ter uma referência sem ter que ficar relendo o código a cada vez.

Fazer esse tipo de registro, quase 10 anos depois de ter escrito o código e feito algumas das escolhas, é um exercício de penitência, em especial pelos pecados que cometi contra a web semântica, 10 anos atrás...

1. Os subtítulos, leads e destaques

Por razões3 que hoje não mais se justificam, os títulos de H1 a H3 ficaram reservados para uso nos templates e plugins, sendo que o <h4> passou a ser o ideal, nessa configuração peculiar, para criar os subtítulos dentro de artigos – a exemplo do subtítulo acima.

★ Atalho para o H4: Control + 4

Outro atalho importante é o Control + P, que acrescenta um destaque visual4 para o lead (ou lide) dos artigos, ou seja, o primeiro parágrafo descritivo do conteúdo ou da relevância do texto – como você pode ver no parágrafo inicial deste post.

Esse mesmo atalho de teclado tem dois primos interessantes voltados a formatar pull quotes (com o uso de modificadores), que veremos a seguir.

Pull quotes ou olhos são a formatação típica de citações extraídas do texto para atrair, por meio de destaque, a atração do leitor para um trecho.

★ Atalho para o pull quote acima: Control + Option + P

Também existem os pull quotes ou olhos que ficam à margem de um parágrafo, ajudando o leitor a referenciar ou encontrar o trecho que o interessa numa obra de referência, por exemplo. Eles são posicionados sem interromper o fluxo vertical da leitura, e de tal forma que o parágrafo os envolva com naturalidade.

★ Atalho para o pull quote acima: Control + Option + P
★ Atalho para a marcação luminosa: Option + Command + B


E o divisor vertical acima é simplesmente a renderização da clássica tag <hr>.

2. Os recursos para material técnico

Com frequência eu escrevo sobre programação e outros assuntos de natureza tecnológica, com convenções próprias e que exigem marcação estrita de contextos, em especial ao reproduzir literalmente trechos de código ou comandos.

Para trechos maiores, o Axe e o Rocket jogam em dobradinha para tratar a tag <pre> como necessário, incluindo evitar as quebras de linha que não estejam literalmente presentes, e criar uma barra de rolagem lateral se for preciso, como no exemplo a seguir:


© 2022 Augusto Campos http://augustocampos.net/ (12/nov/2022)

Licensed under the Apache License, Version 2.0 (the "License"); you may not use this file except in compliance with the License. 

You may obtain a copy of the License at http://www.apache.org/licenses/LICENSE-2.0 

Unless required by applicable law or agreed to in writing, software distributed under the License is distributed on an "AS IS" BASIS, 
WITHOUT WARRANTIES OR CONDITIONS OF ANY KIND, either express or implied. 

See the License for the specific language governing permissions and limitations under the License.

Da mesma forma, a tag <tt> é tratada em parceria pelo CMS e pelo tema, facilitando inserir um comando como DEVICE=C:\Windows\EMM386.EXE NOEMS no meio de um parágrafo, diferenciando o que é comando e o que é o fluxo de texto.

Um caso especial é a referência a teclas, da qual tivemos vários exemplos acima. Ela pode ser feita com a tag <kbd> envolvendo cada nome de tecla, como no exemplo Shift + Tab – ou, fazendo uso de um pouco de unicode, + .

3. As notas de rodapé

Quando eu escrevi o Axe, tomei a decisão de não adotar o padrão de representação MarkDown. Se fosse hoje, certamente a minha decisão teria sido a oposta.

Mas um recurso facilmente acessível a quem escrevia em MarkDown, na época, eram as notas de rodapé5, e eu tratei de inserir suporte a elas, com uma sintaxe esquisita mas fácil de digitar (ainda mais depois que criei o atalho + R...), na segunda versão pública do Axe, em setembro de 2013.

As notas de rodapé devem ser definidas no ponto em que serão referenciadas, marcadas entre colchetes e precedidas de @@rod:, conforme o exemplo a seguir:

Este é um texto comum[@@rod:E aqui vem o texto da nota de rodapé 
dele.] para exemplo.

As notas de um artigo são numeradas sequencialmente, aparecem sempre ao final do post (ou seja, no rodapé) e também reproduzidas como um hover no seu número, visível a quem pairar o mouse sobre ele. Junto a cada nota, no rodapé, há um link para retornar ao seu contexto original.


O que eu esqueci? Muita coisa, provavelmente.

E, 10 anos depois, o meu gosto tipográfico me faz desejar incluir mais recursos no Rocket (e, provavelmente, com complementos no CMS e nos scripts do BBEdit).

Isso quer dizer que voltaremos a esse assunto mais vezes, mas tenho certeza de que o distinto público não vai se incomodar 😀

 
  1.  O CMS Axe foi escrito por mim em 2013, e penso que quem o usa hoje em dia somos apenas eu e o André Noel. Provavelmente o código que eu disponibilizei na época exigirá algumas atualizações para rodar no ambiente atualizado dos provedores de hospedagem.

  2.  O tema Rocket foi originalmente escrito para o meu site BR-Mac.

  3.  De SEO, na época...

  4.  Usando (muito mal) a tag H2, na contramão da web semântica!

  5.   Ou notas de fim de artigo, mais propriamente falando.

Quebrou a segunda maior fornalha de fantasias do mundo

Não curto falar desse mercado das moedas de chocolate, mas fica martelando na minha mente que a corretora que quebrou esta semana era a 2ª maior do mundo - e o nível de gestão dela estava entre o amador e o criminoso.

Dava retorno alto, muita gente investiu as economias de uma vida, contra os conselhos de gente sensata, e viu virar pó.

Alguns foram além, e convenceram amigos e familiares até então sensatos a deixarem de lado a cautela e investir tudo nessa fantasia arriscada.

Agora perderam tudo. Ou mais do que tudo, no caso dos que usaram seu crédito pra captar ainda mais recursos pra investir nessa fornalha.

Já são muitos anos desse mercado de sonhos, de vendedores de bilhetes premiados. Mesmo se fossem poucos, já teria sido tempo demais.

Guardo pra mim o crédito de ter dito o que pensava a respeito, a cada pessoa que algum dia me pediu opinião sobre jogar dinheiro bom nas mãos dos corretores desse modelo falho.

Mastodon survival guide

🐦 Thread original: @Bodil, all her apes gone, no Twitter.

Hi, if you're thinking of evacuating to Mastodon before the boy genius destroys this place entirely, I thought I'd write you a survival guide, just to manage your expectations.

First and foremost: it looks a lot like Twitter at first glance but it isn't, for better and usually for worse. Don't be fooled by the familiar look into thinking you're going to have a similar experience.

They'll tell you to choose a server based on your interests or community affiliations. Masto servers as communities are largely a conceit, don't listen to this. Pick a server based on how much you trust the admins to #1 keep it running, and #2 moderate it well.

The latter point is particularly important, because there's no centralised authority to appeal to for moderation. It's a federated network with nobody in charge, and it includes such interesting neighbours as Gab and Truth Social. Moderation is going to be on you and your admin.

Anyone telling you what Masto culture is like and how you should behave to fit in is lying. Doesn't matter if they wrote a tutorial or if they're in your mentions lecturing you. The fediverse doesn't have a single uniform culture, there's a node for everyone. (See above re: Gab.)

(...)
And here's another thing that's happening over there right now: a shocking amount of people, vastly outnumbering the old time mastodonians, have just evacuated there from Twitter, and if there was anything like "masto culture" before, it's being examined and reconsidered.

See above: Masto culture is a lie. If you go there and find the culture rubs you the wrong way, if you've tried it in the past and had bad experiences, be patient: I suspect it'll be a completely different place by next week.

(...)
But even if you're still skeptical that it's ever going to replace Twitter (and I'm generally with you, even though I'm feeling foolishly hopeful atm), I'm p sure it's the best option around right now just for preserving at least a partial social graph for whatever comes next.

So that's why I, as a long time Mastodon detractor, think you should probably join Mastodon right now. Just to be on the safe side.

I'm @bodil@lol.camp [lol.camp/bodil](https://lol.camp/bodil) over there, by the way.

Twitter is going great: uma timeline dos desastres do novo CEO da ave

Via @TodayinTabs e @molly0xFFF chega essa timeline (em andamento) dos destaques da cobertura da tragicomédia em andamento:

🌎 Twitter is Going Great!

Não está parecendo que eles ficarão sem material tão cedo...

🐦 Tweet original: Clay Shirky no Twitter.

Como representar e visualizar percentuais: 20 formas

Os gráficos de pizza são a resposta comum, mas estão longe de ser a única: esta coleção de exemplos do InfoNewt mostra 20 formas diferentes de visualizar percentuais e partes do todo:

Alguns, como os mostradores no estilo velocímetro e as visualizações no estilo donut, são intuitivos e acessíveis ao público em geral, nos casos em que se aplicam.

Outros, como os gráficos no estilo radar, são expressivos para situações específicas - por exemplo, quando queremos comunicar vários valores que não são partes de um todo, tais como as notas de um estudante em várias matérias distintas.

Fica a referência, e o link.

Um blog pessoal, a esta altura do campeonato?

Bem-vindo, estamos em construção 🫠 Quase 5 anos depois de eu ter descontinuado meus blogs, um bilionário desgovernado me deu o ensejo de reinstalar o Axe, reconfigurar um domínio, e voltar a blogar.

Na onda da nostalgia, talvez o próximo passo seja tirar da gaveta o Nokia e jogar o melhor jogo de todos os tempos :)

Não estou abandonando o Twitter, e por enquanto vai rolar aquele sincretismo: posts aqui do Trilux serão colados lá, coisas que seriam threads longas por lá acabarão virando um link aqui pro blog, etc.

Depois, quem sabe?

De qualquer forma, aqui vou postar sobre assuntos que me interessam, e talvez te interessem também.

E temos feed RSS, portanto se você ainda usa essas tecnologias avançadas, pode me seguir!

Tá feia a coisa, piu-piu

Neste final de semana falei com bastante gente procurando sua estratégia de saída, para o caso de piorar de vez.

Alguns, mais decididos ou menos tolerantes, até já decidiram, e marcaram data. Outros nem esperaram, e nem mais estão entre nós por lá.

Pena. Eu não tenho expectativas positivas, mas também ainda não decidi sair.

Ao mesmo tempo... reativei meu blog pessoal, e estou postando nele, como faziam os antigos astecas.

Chega de spam, Uber!

Hoje foi o dia em que eu cansei do app do Uber ficar abusando do privilégio de exibir alertas pra coisas que interessam pra ele mas não pra mim.

Tomei a atitude necessária.

Hello, world!

Este é o primeiro post de 2022.

E olha que já estamos em novembro!